domingo, 26 de julho de 2009

Em Agosto, férias

Não é sorte do cronista, é imposição da canícula: estamos a poucas folhas do mês de Agosto, vamos então respirar as frescas brisas de umas férias. O cronista reivindica uma deserção anual deste espaço (que de resto não troca por maresia da praia, ar seco da montanha ou verduras de turismo rural). Mas podem acreditar no seu regresso.
Estamos, pois, no período em que o movimento nas cidades se acalma ao ponto de as tornar sonolentas, o que quer dizer habitáveis. Os locais comerciais aparecem fechados «para férias» e os cães ficam abandonados pelos seus donos. Uns tantos pais perguntam-se onde poderiam deixar entregues os filhos para poderem ir descansados...
Será bom lembrar, nestes dias quentes, uns vídeos que têm andado a circular na Net, alguns dos quais produzidos pela National Geographic? Mostram comportamentos de animais ditos irracionais mas tão «humanos» que se tornam admiráveis como lições vivas de verdadeira humanidade.
É, por exemplo, o caso visto de uma chita esfomeada que caça uma macaca para se alimentar e, no momento em que vai devorá-la, a fêmea, grávida, dá à luz; outras feras acodem a disputar a presa, a chita aboca a cria e foge para um ramo alto, salvando-a (mas continuando esfomeada), limpa-lhe o pêlo, cuida dela e protege-a.
Vários vídeos exibiram uma porca a adoptar uma cria como se fosse sua embora viesse de espécie diferente e que estaria condenada a sucumbir ao abandono; e outros casos do mesmo género repetiam-se proporcionando surpresas sucessivas.
Cenas tais dão vontade de pedir a certos progenitores, que até desejam que as escolinhas funcionem todo o ano sem interrupções, para que aprendam a comportar-se em casa como as feras irracionais na selva, dizendo-lhes:
- Paizinhos, sejam como animais para os vossos filhos!

2 comentários:

Fernando Sosa disse...

Faria por certo bem a certos pais lerem este texto e verem esses videos. Demasiados pais...

Mas enfim, espero que goze bem as suas férias.


Grande Abraço!

A. M. disse...

Caro Fernando Sosa:

Muito obrigado! Com companheiros assim e convivencialidades destas, como não dar vivas à vida?
Oxalá o amigo possa ter um período de férias absolutamente feliz e retemperador.
Aquele abraço.