domingo, 20 de dezembro de 2009

Na festa do Sol


Manda a tradição, muitos são ainda os amigos que preenchem os dias desta quadra trocando saudações e votos de boas festas. Andamos de ouvidos e olhos cheios de «Feliz Natal», «próspero Ano Novo» em exibição por todo o lado. E até cheios de doces, chocolates mil e rabanadas com a noite da consoada todavia distante... Já cansados de ver tantos pais Natal vermelhuscos e rotundos a cheirar a Coca-cola publicitária, tantas árvores de todos os tamanhos carregadas de lantejoulas, tantos papéis de fantasia a envolver o presentinho, tanto presépio tosco embora comovente na sua pobreza. Fartos de neves cenográficas lindinhas, de renas e veados em paisagens nórdicas, que nos dão vontade de escaqueirar o cenário postiço para aceder à realidade real... Uma quadra assim consumista e mercantilizada é cansativa em demasia! (Uma notícia dizia há dias que o comércio nacional, apesar da crise, vendeu mais 18% do que em 2008. Sabemos todos, 2010 vai ser pior.) Mas vou retribuir aqui, por este meio expedito, os votos que com amizade e gentileza os amigos me enviam, simbolizando a festa do Sol, celebrada no solstício, na reprodução de uma nova pintura que simboliza o Amor, garante da renovação da vida. (Pintura de Isa Ventura, 2009: 50x70 cm.)  

1 comentário:

Fernando Sosa disse...

Caro Arsénio,

Ia-lhe deixar mais um comentário no texto abaixo, em resposta às palavras natalícias que me endereçou.
Mas depois de ler estas suas últimas opiniões parece-me mais lógico escrever aqui: o Natal é algo que não aprecio, aliás, talvez me irrite mesmo.
Razões para tal sentimento repulsivo? As mesmas que o Caro Amigo apresenta neste texto!

Portanto, desejo-lhe um Feliz Solstício de Inverno!

Um Abraço.