sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Este Congo que foi belga

Temos a obrigação de saber que a informação que podemos recolher em cada época é uma informação unilateral. Prefere dar voz a um só lado como se quisesse não complicar ou aliviar o discurso informativo. Mas, pior do que ser unilateral, é a informação deficiente. Omite factos que muitos anos depois, quando esses factos já não incomodam, acabam por ser divulgados entre alguma selecta minoria.
Sempre em crescendo, esta evolução tem um resultado cada vez mais óbvio e sensível: as massas afundam-se na ignorância espessa dos que se contentam com pão e circo, enquanto o acesso ao conhecimento dos factos e das realidades do mundo se torna fragmentário e rarefeito no interior de segmentos socioculturais restritos pouco menos que residuais.
A memória dos acontecimentos históricos contemporâneos anda assim a dissipar-se, levada por ventos erosivos cujas consequências poucos cuidam de medir em todos os seus alcances. Mas uma pessoa suficientemente idosa e que tenha permanecido atenta aos acontecimentos sente-se um pouco memória viva. O seu tempo é já tempo da história, podendo por isso lembrar, por exemplo, as mordaças da censura salazarista, o broto revolucionário do 25 de Abril e o baile mandado que se seguiu.
Lembrará também o que foi a descolonização em África. Precisará, porém, de ver num canal popular de tv, de sinal não aberto, um surpreendente trabalho sobre a situação na República Democrática do Congo para despertar. Português, europeu, percebe de súbito que esteve alheado daquela situação devido a um boicote informativo, porque é ingrato, melindroso, falar na Europa de assuntos africanos...
Complexos de culpa que sobram do egoísmo. Mas a situação no Congo-Kinshasa que o vídeo mostrava era terrífico, a extensão do horror acabrunhante. O banditismo generalizado, a violência sem freio, o caos total. Tomada de reféns, violações, escravatura. Miséria infernal e sem lei. Soou como um grito poderoso, lancinante, a reclamar: como é possível?, como é possível?, e nós por aqui sem saber de nada?
Foi então o momento de lembrar o título de um livro de Sidónio Muralha (1920-1982), escritor português neo-realista injustamente esquecido, e colá-lo em título desta crónica. E depois prosseguir nas lembranças para avaliar todo o sofrimento que os povos daquela antiga colónia têm vindo a suportar perante a gelada indiferença dos democratas, defensores de direitos humanos e de tanta civilização exemplar.
Atrocidades horríveis contra os africanos começaram, ao que se sabe, quando em 1884 a Conferência de Berlim outorgou ao rei belga Leopoldo II o Estado Livre do Congo como património pessoal. Época linda! Em 1908 a colónia passou a ser controlada pelo Parlamento belga mas no essencial a situação persistiu até à independência, em 1960. A conspiração imperialista interveio, o Catanga declarou-se independente, o primeiro-ministro Patrice Lumumba (2-7-1925-17-1-1961) é abatido (ele que proclamara à entrada: «A independência política não é suficiente para libertar a África do seu passado colonial, era também preciso que a África deixasse de ser controlada economicamente pela Europa»).
Na verdade, na República Democrática do Congo estavam e continuam a estar instalados poderosos interesses europeus e americanos. Exploram petróleo, ouro, diamantes e outras produções minerais, recursos florestais, etc. Pode-se dizer que a incrível miséria dos congoleses e dos bárbaros e escandalosos sofrimentos que lhes são impostos se explicam somente porque o seu país é soberbamente rico.

4 comentários:

Fernando Sosa disse...

E graças a este seu texto Caro Amigo,
fui pesquisar um pouco mais sobre o país em causa.

E que história tão complexa e sangrenta encontrei, sempre com jogadas ocidentais à mistura.

É, apesar de tudo, apenas um exemplo entre muitos em África.


Cumprimentos e parabéns pela exposição dos problemas deste flagelado país.

Carlos Braga disse...

Amigo Arsénio:

Ao ler este texto sobre o Congo que foi belga, qualquer coisa cintilou dentro de mim. Só os muitos afazeres em que ando envolvido têm travado um comentário. Decido-me hoje a quebrar o silêncio. Nasci no Congo, o meu Pai foi lá comerciante, por lá morreu e ficou sepultado, em 1962. Conta minha Mãe, quando quer atestar a riqueza daquele país imenso, que poucos dias depois de lançar uns grãos de milho às galinhas encontrava um verdadeiro milheiral no interior do galinheiro.
Não posso estar mais de acordo consigo quando associa a miséria e o sofrimento dos congoleses à sua excepcional riqueza, nomeadamente do seu subsolo. Há muito que o Congo está a saque, as pilhagens são uma constante, os conflitos regionais provocam milhões de mortos e uma economia de contrabando, sobretudo de ouro, mina a sua estabilidade financeira. Há um drama humanitário que os papagaios dos direitos humanos sistematicamente ignoram, acomodados na gaiola da democracia.
O grande patriota congolês Patrice Lumumba não foi assassinado por acaso, às mãos dos sicários de Moisés Tchombé e da sua horda de mercenários.
Perdoe-me a extensão do comentário. É que o seu texto diz-me muito, pelas razões já expostas. E eu, enquanto humano, não sou apenas corpo ou consciência: sou também memória, passado e herança. E sempre procuro ser fiel aos registos antigos.
Abraço apertado.

A. M. disse...

Caro Fernando Sosa,

Existem numerosas situações algo similares à da dita República Democrática do Congo espalhadas pelo mundo. Que até podem ostentar o rótulo de «democráticas» apenas por cinismo e propaganda. Isso constitui, e deve valer sempre, como uma interrogação fundamental a que, como seres humanos, todos temos que responder de alguma forma. Nem que seja de consciência anestesiada pela última do futebol...
E mais não digo, por desnecessário.
Mas permita-se insistir consigo: continue atento ao mundo!
Cumprimentos.

A. M. disse...

Carlos Braga,
Caro amigo:

Já o sabia nascido naquele país martirizado, mas, confesso, apenas me lembrei disso ao ler este seu comentário. Senti-me gratificado. Vejo-o de volta a este cantinho e a recordar, em memória viva, o que lhe ficou da origem matricial.
As longuíssimas barbaridades que os interesses imperialistas têm desencadeado no Congo ex-belga atingem não apenas o povo africano (Lumumba, sim, em primeiro lugar). Lembre-se também, por exemplo, a morte «por acidente aéreo» (mal explicado, duvidoso e suspeito) do então secretário-geral da ONU, Dan Hammarksgoeld, diplomata sueco culto, sensato, moderado, pacifista. A ganância arrasa tudo, nada a detém excepto uma força positiva maior.
Volte sempre, caro amigo!