sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Esta informação do poder...

O jornalismo de investigação, praticado como serviço informativo de interesse público isento e livre, em defesa da democracia e da liberdade, foi sempre o brasão máximo da profissão jornalística. Mas, simplesmente, acabou. O que disso resta serão incursões avulsas mescladas de algum oportunismo ao situarem-se no terreno pantanoso de meras propagandas visando desgastes eleitorais da «esquerda» orgânica integrada.
Degradou-se o poder da informação, transformada na informação do poder, não por qualquer capitulação dos jornalistas em bloco mas, simplesmente, porque a frágil flor da independência dos seus órgãos de informação caiu em mãos de quem renegava essa independência. Dispondo da propriedade dos órgãos de referência, foi fácil aos senhores do grande capital financeiro orientar e dominar a informação «conveniente». E, neste pé, será preciso repetir que os jornalistas são assalariados?
Interrogação pertinente: causou bastante estranheza a frase há tempos aqui escrita que atribuía a qualidade de jornalistas em Portugal não o Sindicato dos Jornalistas, sim a administração do órgão empregador. Mas é a realidade. Quem emprega é que inicia o caso: propõe o candidato à profissão ao Sindicato, que lhe confere ou não a carteira profissional.
Logo, uma primeira escolha é feita pelo patronato. Depois, ao exercer a profissão, cada jornalista estará integrado num setor com poucos órgãos de referência, onde abunda o trabalho precário e sem direitos e é fácil ficar com o nome «queimado». Além de que trabalha sob a alçada da lei aplicável, a começar pela Lei de Imprensa.
Maior estranheza causará decerto o facto de que a Lei de Imprensa atualmente em vigor, alterada em data memorável, obriga os jornalistas a revelar em tribunal as fontes em que beberam a informação. Ora ter a obrigação de, em juízo, proceder a tal identificação (ou ficar preso) decapitou cerce, pela última raiz, a liberdade de informação restaurada em Abril. Até alguma liberdade de expressão, assim de golpe, levou sumiço.
Admira, então, que o jornalismo presente esteja a morrer, amortalhado em tristonho demissionismo, e que os jornais percam leitores?Admira, num contexto mais lato, o escândalo contido na «Face oculta»? Quantos portugueses estarão preparados para enfrentar o perigo de uma total «italianização» da vida nacional?
As manipulações da informação até já ousam atingir esferas do poder judicial. Um escândalo recente  demonstra às claras o avanço (corruptor) da ofensiva: a grosseira deturpação do relatório da Comissão Europeia para a Eficácia da Justiça relativo a este ano. Segundo informação da agência nacional de notícias, alegadamente baseada no relatório, haveria em Portugal juízes à farta, a trabalhar pouco e a ganhar em barda.
Um comunicado da ASJP repôs logo os factos, mas a comunicação social ignorou-a quase por completo e a falsidade espalhou-se. Era a «verdade» conveniente num quadro em que as condições materiais do exercício profissional dos juízes não passam de pretexto. O que está em causa, embora omisso, é o alarme que causa entre os juízes  de carreira uns «outros»  juízes que provêm de nomeação política, deixando os primeiros a sentir cada vez mais assediada a independência do poder judicial.
O conflito vai em crescendo e não é nenhum torneio floral. Basta notar que o presidente do sindicato do Ministério Público defende, na sua interpretação da lei, a responsabilização penal dos políticos. Só quem viva nas nuvens não percebe o vento que por aqui sopra - uma nortada que parece querer envolver tudo.

1 comentário:

Anónimo disse...

Este artigo ajuda-me a entender a noticia que ouvi hoje. O governo pensa juntar a Agencia Lusa com a RTP e a Radio publica. Tudo numa empresa. Facil de manobrar. Esta-se a ver por que.