domingo, 26 de julho de 2009

Em Agosto, férias

Não é sorte do cronista, é imposição da canícula: estamos a poucas folhas do mês de Agosto, vamos então respirar as frescas brisas de umas férias. O cronista reivindica uma deserção anual deste espaço (que de resto não troca por maresia da praia, ar seco da montanha ou verduras de turismo rural). Mas podem acreditar no seu regresso.
Estamos, pois, no período em que o movimento nas cidades se acalma ao ponto de as tornar sonolentas, o que quer dizer habitáveis. Os locais comerciais aparecem fechados «para férias» e os cães ficam abandonados pelos seus donos. Uns tantos pais perguntam-se onde poderiam deixar entregues os filhos para poderem ir descansados...
Será bom lembrar, nestes dias quentes, uns vídeos que têm andado a circular na Net, alguns dos quais produzidos pela National Geographic? Mostram comportamentos de animais ditos irracionais mas tão «humanos» que se tornam admiráveis como lições vivas de verdadeira humanidade.
É, por exemplo, o caso visto de uma chita esfomeada que caça uma macaca para se alimentar e, no momento em que vai devorá-la, a fêmea, grávida, dá à luz; outras feras acodem a disputar a presa, a chita aboca a cria e foge para um ramo alto, salvando-a (mas continuando esfomeada), limpa-lhe o pêlo, cuida dela e protege-a.
Vários vídeos exibiram uma porca a adoptar uma cria como se fosse sua embora viesse de espécie diferente e que estaria condenada a sucumbir ao abandono; e outros casos do mesmo género repetiam-se proporcionando surpresas sucessivas.
Cenas tais dão vontade de pedir a certos progenitores, que até desejam que as escolinhas funcionem todo o ano sem interrupções, para que aprendam a comportar-se em casa como as feras irracionais na selva, dizendo-lhes:
- Paizinhos, sejam como animais para os vossos filhos!

domingo, 19 de julho de 2009

Avança a desestabilização

O que podemos considerar hoje em posição protegida pelo direito público mais respeitável? Aparentemente, quase nada; de qualquer maneira, cada vez menos. A desestabilização geral avança. A convulsão envolve imensos espaços e põe tudo a tremer.
Tome-se o caso espantoso das Honduras, onde o presidente democraticamente eleito foi posto no exílio por um golpe de Estado militar. Quer regressar pela legalidade, o povo aclama-o, enfrenta a repressão, e...?! Obama apela ao «diálogo», a negociação com os golpistas já traduz uma cedência crucial e uns quantos indagam quantos governos haverá em Washington.
Porém, o mais espantoso está na versão dos acontecimentos nas Honduras que tem corrido nos media portugueses. A falta de isenção que deveria ser apanágio da informação fica demonstrada ao acatar a propaganda dos golpistas que deturpa os factos. Alega que o presidente se preparava para, através de referendo, se perpetuar no poder, escondendo todavia que o referendo era perfeitamente democrático e que o mandato presidencial até estava no fim.
Uma sondagem de opinião documentaria a manipulação operada entre nós pelas notícias relativas ao caso. O público sintoniza o discurso da treta dos golpistas porque é esse o preponderante na informação. E não está apenas mal informado, está enganado.
A inspiração e a própria índole política do movimento golpista saltam aos olhos. São, descaradamente, de direita radical, isto é, antidemocrática. E os órgãos informativos portugueses, sem qualquer interesse objectivo no caso, dão-lhe franco apoio.
Como acreditar na soberania do povo, no sistema democrático, no regime da legalidade? Como esquecer que esta imprensa está concentrada em «boas mãos»? Como não repetir que meia verdade é mentira sobretudo quando se gera a mercantilização das notícias? [Por favor, unamo-nos, para que os senhores do mundo não nos tirem a Net, derradeiro canto de liberdade!]
A democracia é, não há dúvida, um sistema que pode admitir diversos aprofundamentos sem se negar. Mas não pode ter geometria variável: fechado aqui, alargado acolá, como funil em posições alternantes, de modo a servir causas espúreas. Até Salazar pretendia que o seu regime era uma democracia «orgânica».
Por este caminho tortuoso avança e avassala o mundo uma geral desestabilização, uma geral insegurança. Houve outros casos (Obama, a propósito da sua «abertura» com o Irão, lembrou o democrático Mossadegh derrubado em 1953 por ter nacionalizado o petróleo iraniano), e casos como o Governo republicano espanhol derrubado com guerra civil por Franco, golpe sangrento em El Salvador após vitória eleitoral comunista, Salvador Allende derrubado por Pinochet no Chile, etc., etc. E nem lembro os desmandos praticados em África aquando da descolonização...
Quem vai poder confiar nas afirmações que correm em público? Enfim, aumenta a distância entre cidadãos e políticos... até o dia em que aqueles baterão à porta destes a pedir-lhes contas.

domingo, 12 de julho de 2009

A idolatria das massas

A dimensão do espaço mediático expande-se incomensuravelmente. Parece que não tarda a abranger o mundo inteiro e a cantar vitória definitiva. Será então o momento de vermos em cena o Espectáculo Único transmitido em directo para o palco mundial.
Dois casos recentes o demonstram e anunciam: a apresentação de Ronaldo em Madrid e a morte e funeral de Michael Jackson. Canais de televisão, rádios e jornais competiram freneticamente para manter as massas, dias e dias, de olhos em alvo. Cheios até à cegueira total.
No primeiro caso, exibia-se o jogador de futebol como um troféu conquistado porque o clube paga por ele a brutalidade de uns 95 milhões. E o rapaz lá foi recebido no estádio com aplausos de 85 mil espectadores - que bem já o conheciam e que, felicíssimos, se deslumbraram vendo-o dar uns breves toques na bola - ao mesmo tempo que milhões de outros telespectadores de uma longa série de canais de tv e rádio transmitiam a cena na hora.
O segundo tomou a morte e a vida do cantor pop como os animais necrófagos devoram na selva as carnes putrefactas. Não vão largar o pitéu enquanto multidões inteiras não vomitarem de nojo e repulsa. As tristezas e misérias da vida do cantor, tal como algum misteriozinho notado na sua morte, até serviram para que o seu funeral fosse outro espectáculo gigantesco transmitido em directo.
Estes dois casos ocuparam imenso espaço mediático durante dias, num ensaio geral do que promete implantar-se e ser o Espectáculo Único. As massas estão a ficar prontas e maduras. Os senhores do mundo têm vindo a trabalhar para isso, a massificação (que, lembre-se, resulta numa tirania), avança.
As massas, porém, precisam de ídolos. Os ídolos, por sua vez, precisam de adoradores, adoração. O que foi possível ver no estádio que vitoriou Ronaldo foi, por um lado, os milhões que ele recebia pelo seu jogo de pernas, e por outro, a promessa sonhada de que outra pessoa, por exemplo tu ou eu, podem tornar-se milionárias, com um pouco de sorte, neste mundo que é um estádio onde se jogam os golos do futebol da vida.
Um ídolo é elevado à altura de um deus, categoria que um certo jornal dito de referência atribuiu a uns tantos numa página onde coube uma farturinha de «deuses». A um ídolo pop, que vendeu milhões de discos e faleceu deixando o mísero corpo crivado por incontáveis agulhas, também não falta magia trespassada pelo drama. No fim de contas, em última análise, as massas adoram estes ídolos como bezerros de ouro.
Diz-se por vezes que é ínfima a distância que vai de um ídolo a um deus e que as massas criam os deuses e os monstros de que necessitam para justificarem as suas esperanças, medos e terrores. Ora os problemas deste nosso tempo não pernitem grandes esperanças. Uma nuvem densa de medos e terrores avança sobre as massas cativas e subjugadas, que se resignam a consumir o que lhes levam à boca e metem pelos olhos - mais e mais do mesmo, cada vez mais do mesmo, a indigesta palha com sabores e cheiros de antigamente.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Não sou feliz com barbeiros

Queixam-se de que são uma classe profissional em vias de extinção e, de facto, são cada vez mais raras as barbearias. Não será isso apenas para nos obrigarem a estender a procura e a caminhar? Há motivos de sobra para dizer que não sou feliz com os barbeiros.
Podem fugir-nos de ao pé da porta para algures, longe, e rarearem como cervejas frias no deserto que nem por isso baixam o preçário. Fazem-nos esperar nos assentos da resignação uma hora, despacham-nos em sete minutos e pagam-se por este tempo à razão de um euro por minuto. No fim, de escova na mão, com toques simbólicos na indumentária, avezam mais um de gorjeta.
Um euro por minuto equivale a sessenta por hora. Nada mau para um fígaro, pois o aproxima em ganhos de especialistas, catedráticos e sumidades diversas. Tesourar uns pêlos reveste-se assim de uma auréola especial própria do oficiante que nos recebe, iniciado em arte cheia de mistérios.
Desde que, pela mão do meu pai, comecei a ir ao barbeiro e pela primeira vez me sentei na cadeira propiciatória, encolhi-me sob o manto que me envolveu como veste talar. Tinha a cara no espelho grande e, vendo-me, não me reconheci. Ouvia o tric-tric da tesoura, as suas batidas no pente junto das orelhas entre as conversas dos homens que prosseguiam apenas para disfarçar a solenidade do acto da criança inicianda.
Levo longos anos encolhido sob o manto, a celebrar o ritual sacrifício. Encaneceram-me os cabelos, luziu-me a calvície, alastrou a dita em coroa como incêndio na floresta. Restam-me umas dúzias de pêlos bem contados e nem assim me vejo livre das barbearias.
Diz o povo que os barbeiros têm pacto com o demo: sabem fazer-se indispensáveis nem que seja pela simples mancheia de penugem que nos reste. E têm artes de, em unânime consenso, quererem cortar-nos os cabelos dos cantos, nas têmporas, ainda que digamos que os queremos tal como estão. Trata-se, sem dúvida, de uma expropriação abusiva de um bem pessoal levado pela lâmina, o que levanta uma suspeita: o que ganharão os fígaros com isso?
Admirável é o consenso estabelecido pela classe quanto a desbastar a eito uns milímetros nos cantos. Falam pouco ou nada uns com os outros, devem dispor de técnicas de entendimento tácito que encontram paralelo apenas nuns tiques novos de expressão vocabular que de repente toda a gente partilha: falam de «mídia» em vez de media, «sendo que» em vez de porquanto, e sempre à última «da» hora...
Se há quem pense ainda que é difícil, hoje em dia, pôr um povo a falar pelos canais mediáticos a uma só voz, ponha o sentido neste milagre. Mas não sou feliz com barbeiros porque conversam com o freguês e, quando o diálogo fica interessante, perde-se em evasivas. Um deles abriu-se um dia e falou-me das cabeças tortas que com arte endireitava. Nunca mais consegui retomar tão fascinante conversa e nunca mais encontrei outro disposto a falar das cabeças tortas que lhe iam às mãos... [Ilustração: extraída de PowerPoint; sem indicação de autor.]